Início » Notícias » Treinador de Valorant afirma que prefere perder emprego a se vacinar
Treinador de Valorant afirma que prefere perder emprego a se vacinar

Treinador de Valorant afirma que prefere perder emprego a se vacinar

Onur poderia ter sido o primeiro treinador de Valorant da LOUD, mas o estrangeiro se recusa a tomar vacina de Covid-19. A decisão polêmica vai contra o passaporte de vacinação implementado no Brasil em dezembro do ano passado: para entrar no país, é necessário que o viajante apresente um comprovante de imunização impresso ou em meio eletrônico, com imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os estrangeiros que não se vacinarem poderão ser impedidos de entrar no país.

No Twitter, Onur fez uma série de tuítes a respeito do assunto., afirmando que prefere perder o emprego a “ceder” e se vacinar.

Ele questionou ainda não ter liberdade para fazer sua própria escolha:

A polêmica se espalhou pela cenário de esportes eletrônicos e outros jogadores e treinadores opinaram sobre o assunto. Melão, caster oficial da Riot Games, questionou a fala de Onur sobre liberdade:

O Esports Content Producer, Rodrigo Faber, também respondeu o coach:

Boltz, jogador de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) do MIBR, fez um tuite comentando o assunto minutos depois. Ele lembra que passou por uma situação grave de Covid-19, que poderia ter sido muito pior se não tivesse tomado a vacina.

“Eu não sou antivacinas. Eu sou anti-passaporte de vacina, que não é a mesma coisa”, disse Onur, que, em meio ao caos, fez um TwitLounger para tentar esclarecer toda a história. O coach, no entanto, não tomou nenhuma dose da vacina.

Na TwitLounger, Onur falou ainda sobre a reação do público por causa de seus tuites. Ele acredita que as pessoas lidaram com isso de forma tóxica, excessiva e injusta. Segundo o treinador, até pessoas bem conhecidas no cenário, com grandes bases de fãs, ecoaram esses comentários sabendo que eles apenas trariam mais mensagens de ódio a uma situação já indesejável.

Onur tem um currículo excelente, mas, caso mais países continuem adotando o passaporte de vacinação, ele pode se prejudicar.

Compartilhe

Letícia Höfke

Letícia Höfke

Sou jornalista, escritora e completamente apaixonada por tudo que envolve o universo geek - principalmente, o Batman.

Veja também