Início » eSports » Brasileiro passa em universidades dos EUA por causa de Fortnite

Brasileiro passa em universidades dos EUA por causa de Fortnite

Aos 20 anos, Matheus Guimarães Montenegro conseguiu, graças ao Fortnite, ser aprovado em 28 universidades nos Estados Unidos. O jogador, morador de São Vicente, no litoral paulista, escolheu integrar o time de esports da Oklahoma Christian University, recebendo uma bolsa de 75% para o curso de ciências da computação. Ele deve começar as aulas em agosto.

Confira abaixo o vídeo enviado por Matheus para as universidades mostrando seus melhores momentos jogando Fortnite:

“Sempre sonhei em ir para fora do Brasil, queria estudar nos Estados Unidos mesmo. Descobri a oportunidade de estudar fora em 2021 e me engajei muito nisso. Eu descobri através de uma matéria, que passou na TV Globo, sobre um menino aprovado em 32 universidades fora do país por jogar Fortnite. Aquilo ali me despertou uma emoção, queria muito aquilo também. Então chamei o garoto no Instagram e ele me ensinou o básico para conseguir. Comecei a pesquisar na internet, ver vídeos sobre isso e fui atrás”, disse Matheus em entrevista para o Globo Esporte.

“É incrível pensar que comecei a jogar Fortnite apenas por diversão e juntei isso com um antigo sonho”, disse ele em entrevista ao R7. “Se eu soubesse antes que uma faculdade oferecia bolsas esportivas e acadêmicas, já teria tentado antes”.

Matheus contou ao R7 ainda que, no início, foi julgado por familiares e amigos pelo fato de jogos online não serem levados a sério, mas que, hoje em dia, ele recebe apoio de todas as formas possíveis. “Acho que em algum momento já fui julgado pela minha família ou por desconhecidos por passar muito tempo atrás da tela do computador, mas eles não tinham o conhecimento que eu tinha. Hoje em dia, minha família me apoia de todas as formas possíveis, e eu sou muito grato a ela”.

Para entrar nas universidades, ele teve que apresentar boas notas no ensino médio, além de mostrar que fez atividades extracurriculares e trabalhos voluntários. Teve que apresentar ainda uma série de documentações e cartas de recomendação de seus professores. Precisou também fazer um teste de proficiência em inglês para provar ser fluente no idioma e enviar o vídeo (postado ali em cima) em que mostrava seus highlights no Fortnite.
Infelizmente, a bolsa de 75% não garante a ida de Matheus para os Estados Unidos. Então, ele criou a campanha “Matheus nos EUA” nas redes sociais para juntar US$ 16.503 (quase R$ 85 mil) e custear o restante da anualidade do curso, a moradia, a alimentação, o plano de saúde, os livros e o visto de estudante. Até o momento, ele conseguiu 20% da quantia. Saiba como ajudar:

Em entrevista ao Globo Esporte, Matheus afirmou estar bem nervoso com a possibilidade de ir para fora do país, mas que não vê a hora de morar nos Estados Unidos. “Ainda não caiu a ficha de que tudo isso está acontecendo. Nunca saí de São Paulo, nem viajei de avião, vai ser uma loucura ir sozinho para longe, mas não vejo a hora de morar fora do país. Vai ser bem complicado, porque vou ter que estudar, jogar e treinar, mas estou preparado. É um país totalmente diferente, com uma cultura diferente, vou ter que acostumar com o inglês. Vou dividir o quarto com um americano, então vai ser bem complicado. O estudo lá é muito na prática, você tem que estudar, mas também praticar. É totalmente diferente do Brasil”, disse.

Matheus afirma que não foca no competitivo porque seu computador é antigo, mas que sua universidade vai oferecer computadores de alta performance para os jogadores. Ele pretende fazer lives para o Brasil jogando Fortnite e usar suas redes sociais para ajudar quem pretende estudar fora do país. 

Ele, que cursou todo o ensino médio em escolas públicas e aprendeu inglês sozinho, deixa um recado para todos: “Falo para as pessoas nunca desistirem. Eu tinha tudo para dar errado. O pessoal fala que sou rico, que consegui tudo na mão, só que não foi assim. Moro praticamente em uma periferia. Fui atrás do meu sonho. É correr atrás mesmo. Lembrando também que tem outros jogos nas faculdades, como basquete, futebol, não é só Fortnite”.
Clique aqui para conferir mais notícias de esports no Clube do Videogame.

Compartilhe

Letícia Höfke

Letícia Höfke

Sou jornalista, escritora e completamente apaixonada por tudo que envolve o universo geek - principalmente, o Batman.

Veja também