Estúdio de Ion Fury pede desculpas por declarações sexistas e transfóbicas

Estúdio de Ion Fury pede desculpas por declarações sexistas e transfóbicas

A Voidpoint, desenvolvedora de Ion Fury, conversou com a Eurogamer pedindo desculpas às mulheres e a comunidade LGBTQ devido a comportamento homofóbico, transfóbico e sexista de seus funcionários, tanto no Discord, quanto no próprio game citado.

Toda a controvérsia se originou no Discord, quando um dos desenvolvedores escreveu:

“Mutilar um corpo perfeitamente saudável enquanto você tem depressão e outros problemas pode levar ao suicídio”.

Já um outro desenvolvedor disse:

“Algo que não entendo sobre a justiça social é quando eles têm coisas como ‘passeata das vadias', o que eu pensava ser sobre o direito de não ser abusada pela maneira que se veste, mas quando você retrata mulheres vestidas desta forma, você é criticado por isso”

Aumentando mais ainda a polêmica, foi descoberta linguagem homofóbica dentro do próprio jogo, sendo acessível apenas via cheats.

Até então, a Voidpoint tinha comunicado que as falas tinham sido tiradas de contexto, mas foi descoberto termos considerados homofóbicos como “fagbag” (o equivalente a “viadinho”), como na foto abaixo, assim como um “Ogay”, sendo um trocadilho com a palavra “okay”, também de cunho pejorativo.

Estúdio de Ion Fury pede desculpas por declarações sexistas e transfóbicas
Estúdio de Ion Fury pede desculpas por declarações sexistas e transfóbicas

Segundo a Eurogamer, a Voidpoint passará a fazer um treinamento a todos os seus empregados e contratados, assim como dará US$ 10.000 para a ONG The Trevor Project, que foca em proteger a vida da comunidade LGBTQ.

“Os membros da Voidpoint fizeram comentários sexistas e transfóbicos, incluindo linguagem homofóbica dentro do Ion Fury” – diz o comunicado.

“Reconhecemos que as declarações são insensíveis, inaceitáveis e contraprodutivas nas causas de direitos iguais. Sem equívocos, pedimos desculpas tanto pelos comentários (dos funcionários) quanto a linguagem (do game) assim como qualquer dano que causamos a nossa comunidade gamer, em especial as mulheres e membros da comunidade LGBTQ. Temos total responsabilidade por qualquer dano que foi feito nas relações que trabalhamos tão duro pra construir”

Victor Miller
Victor Miller

Jornalista, Victor Miller ganhou popularidade na internet por ser o dono do Planeta Sonic, um dos maiores canais do YouTube no Brasil sobre o mascote da SEGA. Trabalha há mais de dez anos escrevendo sobre games para diversos canais importantes do país.