Mãe de brutt se pronuncia após condenação da Imperial

Mãe de brutt veio a público se pronunciar depois de condenação da Imperial

Na última terça-feira (19), Cristiane Fernandes Queiroz Coelho, mãe de Matheus “brutt”, ex-jogador de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), pronunciou-se sobre a condenação em 1ª instância da Imperial e o pagamento de indenização por danos morais de R$ 400 mil à família do atleta. Em 2019, aos 19 anos, brutt estava competindo pelo time em Counter Strike: Global Offensive e morreu vítima de uma infecção do sistema nervoso central não especificada.

Em uma sentença de 80 páginas, a juíza do Trabalho Patrícia Almeida Ramos, da 69ª Vara do Trabalho de São Paulo, concluiu que a Imperial deixou de cumprir obrigações legais e contratuais sobre saúde, o que teria colaborado indiretamente para a morte do jogador. A organização terá que pagar R$ 400 mil aos pais e aos dois irmãos de brutt, além de verbas trabalhistas.

Mãe de brutt se pronuncia após condenação da Imperial

A mãe de brutt veio a público se pronunciar, afirmando que, a mesma maneira que não é possível sustentar que o jogador estaria vivo se a Imperial tivesse cumprido suas obrigações, não dá para ter certeza de que não estaria. “Meu filho, lutarei até o fim pela negligência a ti cometida. #JustiçaPeloBrutt”, disse ela no Twitter. “Eles têm que pagar por cada sonho do meu filho que não se concretizou, por cada lágrima, por nós da família, derramada. Negligenciaram o básico para meu filho e hoje ostentam investir em milhões em jogadores famosos e fizeram de tudo para apagar o fato”. Nessa fala, ela faz referência ao fato da Imperial ter contratado os jogadores do projeto “Last Dance”, astros internacionais da CS:GO, como Gabriel “FalleN”, Fernando “fer” e Lincoln “fnx”, além de Ricardo “boltz” e Vinicius “VINI”.

Conclusões da sentença

A juíza do caso afirmou que a Imperial não ofereceu local de moradia e trabalho adequado, além de contrariar a lei e o contrato assinado com o jogador ao não fornecer assistência médica ou arcar com despesas médico-hospitalares. Segundo ela, “restando claro que a empresa, ao ignorar suas obrigações, colaborou indiretamente para o ocorrido” e tornou-se, portanto, responsável legalmente pela morte de brutt. “Ao optar por não cumprir a legislação específica, tampouco os termos do contrato de trabalho mantido com o Sr. Matheus [brutt], assumiu o risco de ser responsabilizada no caso de eventual prejuízo sofrido pelo atleta, independentemente de ter dado causa a ele”, disse ela.  A juíza também afirma que os parentes do jogador “sofreram as repercussões personalíssimas causadas pela negligência e conduta ilícita da organização, o que afetou o íntimo de cada um deles de forma irreversível”.

A magistrada também colocou a gaming house em evidência. “A negligência da ré [Imperial], neste particular, é manifesta, considerando não só o relato da defesa, como o teor de todas as provas produzidas nos autos [processos]. No afã de imputar culpa à família do jogador, a peça contestatória está recheada de trechos que demonstram o conhecimento da ré [Imperial] sobre o debilitado estado de saúde do Sr. Matheus [brutt], desde que ele ingressou em seu time, situação essa mantida durante todo período no qual morou na gaming house e que proporcionou algumas idas suas a hospitais públicos (…) A estrutura da residência deixava a desejar, a ponto de o atleta não se alimentar de forma saudável, bem como não conseguir dormir direito; é óbvio que, neste cenário, não poderia melhorar fisicamente, o que passou a ser visível aos olhos de todos os que mantinham contato com ele, mercê das três ou quatro idas a hospitais públicos em um curtíssimo espaço de tempo. Todo o ocorrido se desenrolou sem a participação da reclamada [Imperial], em que pese ter a obrigação legal e contratual de atuação nesse sentido. A responsabilidade da reclamada [Imperial], inclusive pelo que se sucedeu, é inquestionável”.

Veja a íntegra da nota da defesa da Imperial:

A defesa técnica da empresa Imperial declara que, com o devido respeito, a sentença proferida encontra-se equivocada e a empresa irá dela recorrer para o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, visando sua reforma e restabelecimento da justiça.

O jogador Matheus Queiroz Coelho prestou serviços por cerca de 40 dias apenas e não seria até razoável que a empresa houvesse sido a causadora de sua doença e morte.

A empresa cumpriu suas obrigações, proporcionou-lhe totais condições de realizar seu jogo, lamentando profundamente o falecimento. Prestou-lhe toda assistência, inclusive à sua família.

No mais, a narrativa dos demais fatos e argumentos constarão do recurso que será regularmente apresentado no processo judicial.

Clique aqui para conferir mais notícias de esports no Clube do Videogame.

Compartilhe

Letícia Höfke

Letícia Höfke

Sou jornalista, escritora e completamente apaixonada por tudo que envolve o universo geek - principalmente, o Batman.

Veja também