Red Wings: Aces of the Sky – Review

A Primeira Guerra Mundial foi um ponto sombrio para a humanidade, mas foi um dos momentos históricos mais fascinantes da era moderna. É até um pouco difícil de entender porque tão poucos jogos (e até filmes) focam nesse conflito. Red Wings: Aces of the Sky tenta explorar os combates travados nos céus da Grande Guerra, com foco em um gameplay acelerado.

Desenvolvido pela All In Games, o jogo foi lançado para o Nintendo Switch em maio desse ano e as versões para PS4, Xbox One e PC foram disponibilizadas no dia 13 de outubro. Trazendo uma experiência arcade, o game é uma ótima forma de passar o tempo, mas contém alguns defeitos que podem incomodar alguns jogadores.

Confira o que você pode esperar de Red Wings: Aces of the Sky para saber se vale a pena ou não alçar voo com o título.

Red Wings: Aces of the Sky – Conhecendo a história nos céus da Grande Guerra

Red Wings: Aces of the Sky

Primeiro vale mencionar que Red Wings não tem como objetivo ser um simulador de combate aéreo e nem um simulador histórico, como é o caso do War Thunder. A ideia é ser uma experiência bem mais leve, sem a preocupação de ter que estudar algumas horas sobre um avião em particular para conseguir dominar ele no ar.

Mas ainda assim, Red Wings chama muito a atenção pelo seu conteúdo histórico. A campanha é dividida entre dois lados, o jogador pode escolher entre a Tríplice Aliança (com foco nos alemães) ou a Tríplice Entente (com foco na Grã-Bretanha).

No lado alemão acompanhamos a história de Manfred von Richthofen, o lendário Barão Vermelho, pela visão de um dos membros do seu esquadrão. Apesar de algumas liberdades criativas, o jogo faz um bom trabalho em mostrar a trajetória do mais famoso piloto que já existiu, acompanhando sua carreira pela Jasta 11 até fazer parte da Jagdgeschwader 1. A narrativa é feita através de animações estilizadas em preto e branco e com um aspecto cartunesco. A história foi parte escrita por um pesquisador que escreveu um livro sobre O Barão Vermelho, enquanto outras partes são inspiradas por diários e cartas de pilotos da época.

Entre muitas curiosidades, a história também traz um pouco da relação entre Manfred e seu irmão mais novo, Lothar Von Richthofen. Já a campanha do lado Britânico traz a lenda do esquadrão “anti-Richthofen” que foi supostamente criado durante a Primeira Guerra Mundial.

Apesar de não serem fatos exatos, a trama acompanha de perto os eventos que aconteceram no período e é com certeza uma ótima pedida para os fãs de história.

12 aviões históricos para serem pilotados

Red Wings: Aces of the Sky

Outro aspecto que chama bastante atenção em Red Wings: Aces of the Sky são os aviões disponíveis. Por ser um jogo arcade, imaginei que ele viria carregado de aviões malucos, mas surpreendentemente, todos os veículos controláveis do jogo são representações fieis de aviões que existiram e foram usados na Primeira Guerra Mundial.

Desde o Fokker Dr.I, pilotado pelo Barão Vermelho, até o Junkers J7, o primeiro avião leve de combate feito completamente em metal da história. Infelizmente o jogo não possui uma página de informações sobre cada modelo, o que provavelmetne deixaria esse aspecto histórico ainda mais legal

Claro, todos os aviões possuem visuais que podem ser desbloqueados ao cumprir certos objetivos. Alguns desses visuais são bem mais parecidos com o que você espera de um jogo arcade.

Jogabilidade de Red Wings: Aces of the Sky é um dos pontos fracos do título

A jogabilidade de Red Wings é um ponto curioso. Primeiro porque o combate é acelerado e fácil de dominar, sendo bem divertido, principalmente com o sistema de habilidades e o sistema de combos. Além do combate, há missões de obstáculos, que também são muito divertidas, principalmente com os controles responsivos.

Apesar de ser bem divertido inicialmente, logo o jogador percebe que as missões são bem parecidas, mudando apenas o nível de dificuldade.

Basicamente, a cada 5 missões você desbloqueia uma nova parte da história. O problema é que a estrutura dessas 5 missões começa a ficar muito similar. A primeira é para derrubar o maior número de inimigos, depois proteger balões aliados, depois uma prova de agilidade, uma sessão pilotando um bombardeiro e mais uma missão de destruição.

Red Wings: Aces of the Sky
Missão de agilidade em Red Wings: Aces of the Sky.

Essa estrutura se repete pela maior parte da campanha e, para aqueles que não estão completamente engajados com o gameplay ou não são complecionistas, o jogo pode ficar enjoativo depois de algumas horas.

Com um sistema de três estrelas, conquistas e visuais desbloqueáveis, Red Wings: Aces of the Sky exige a repetição de diferentes missões. E, apesar de isso alongar bastante o tempo para finalizá-lo, também aumenta o fator repetição.

Red Wings: Aces of the Sky – Voa ou não voa?

Red Wings: Aces of the Sky

Com um total de 50 missões (25 na Tríplice Aliança e 25 na Tríplice Entente) o game não é uma experiência muito curta, principalmente se considerarmos que ele está sendo vendido por R$30. Mas é muito importante entender que ele pode não ser a melhor escolha para quem enjoa rápido de tarefas repetidas.

Para quem adora a história desse período ou é fã de jogos retrô arcade de batalhas aéreas, Red Wings é um título muito simpático e que com certeza vai agradar. Principalmente se você for daqueles que gostam de jogos que te desafiam a ir cada vez melhor em uma missão para conseguir uma melhor pontuação.

Apesar de sofrer um pouco no aspecto da jogabilidade, ainda é possível encontrar uma experiência divertida e desafiadora. Uma boa recomendação, principalmente para aqueles que adoram estudar sobre história.

Red Wings: Aces of the Sky está disponível para PlayStation 4, Xbox One e para PC através do Steam. Gostou desse nosso review? Conheça a nossa opinião sobre outros jogos!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Veja também