Riot é criticada após fazer funcionária deletar fotos de bíquini nas redes sociais

Riot é criticada após fazer funcionária deletar fotos de bíquini nas redes sociais

Rioter acusa empresa de fazer uma funcionária deletar fotos de bíquini das redes sociais

Na última sexta-feira (22), a Engenheira de Software da Riot Games, Lydia, acusou o departamento de recursos humanos da desenvolvedora a obrigar uma funcionária a apagar uma foto dela de biquíni das próprias redes sociais. O tweet em que ela narra o caso tem, até o momento, mais de 4 mil RTs e 41 mil likes. Confira:

“Se você é uma mulher na Riot e posta uma foto de maiô, pode ter problemas com o RH e ter que deletar, mas aí você vai para o escritório e os caras andam por aí com camisetas estampadas com modelos de biquíni e há uma política proibindo você de reclamar especificamente sobre isso”, diz o tweet de Lydia. 

Depois da repercurssão, Lydia afirmou que uma funcionária do RH a abordou, pedindo que ela explicasse o que aconteceu para que ela pudesse ajudar.

Riot recebe críticas

O caso chamou atenção e grande parte da comunidade se mostrou contra a atitude do RH da empresa.

O meme faz uma piada com o fato de que alguns homens acham que mulheres sempre estão buscando sua atenção.

“Literalmente é parte de sua política de negócios vender esta imagem por dinheiro, mas Deus me livre de uma mulher postar uma foto de férias”, disse uma usuária. 

 

“São merd*s como essa que me impedem de assistir Arcane. Eu não me importo se o programa tem lésbicas e mulheres foda* com animação legal quando tratam suas funcionárias reais da vida real como lixo”, escreveu Alex.

 

“Esta é uma grande energia esquisita vinda de uma empresa que tem um jogo que vende literalmente skins de biquíni / maiô para seus campeões … legal”, disse a usuária yeager.
Muitos usuários lembraram que a Riot já vem sendo acusada há anos de sexualizar as campeães de League of Legends nas artes. 

Riot se pronunciou sobre o caso

A Riot Games afirmou ao Dot Esports que “não há absolutamente nada que proíba qualquer Rioter de levantar preocupações se achar que certos trajes são ofensivos” e que “é difícil criar uma regra geral sobre o que é ou não é permitido nas mídias sociais – há muito contexto e nuances que devemos considerar em qualquer caso individual – mas posso garantir que não há uma política explícita contra postar fotos de biquíni ou fotos de maiô em geral. Nós simplesmente esperamos que todos os Rioters usem o bom senso e considerem o contexto ao postar”.

A empresa, no entanto, não revelou se realmente obrigou uma funcionária a excluir fotos de biquíni ou não.

Nessa sexta-feira, a empresa foi obrigada a pagar US$ 100 milhões para mais de 2 mil funcionárias e ex-funcionárias

No mesmo dia que esse caso estourou, um juiz Califórnia aprovou um acordo em que a Riot Games terá que pagar US$ 100 milhões para mais de 2 mil mulheres funcionárias e ex-funcionárias. Elas haviam processado a empresa por discriminação de gênero, assédio sexual e má conduta no ambiente de trabalho.

De acordo com o The Washington Post, US$ 80 milhões serão destinados aos membros da ação judicial, enquanto os US$ 20 milhões restantes serão usados para pagar os advogados e despesas legais em decorrência de todo o processo, que está na justiça desde 2018.

Clique aqui para conferir mais notícias de esports no Clube do Videogame.

Letícia Höfke
Letícia Höfke

Sou jornalista, escritora e completamente apaixonada por tudo que envolve o universo geek. Twitter e Instagram: @leticiahofke