53 Melhores Jogos de Mega Drive (parte 2)

melhores jogos de mega drive

Esta listagem é uma continuação de outro artigo que você encontra aqui sobre os melhores jogos de Mega Drive, o icônico console de 16-bit da SEGA. Aproveite!

27. Shining Force

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Game Boy Advance, Wii, Xbox 360, PS3, iOS, Microsoft Windows

Foto da batalha entre o protagonista e o inimigo "Laser Eye" em Shining Force. (Divulgação / Internet)
Foto da batalha entre o protagonista e o inimigo “Laser Eye” em Shining Force. (Divulgação / Internet)

Shining Force é o primeiro título da franquia que se tornaria um dos principais jogos de RPG da época. O jogo aproveita as mecânicas dos jogos de mesa e atribuiu ao jogo um sistema de evolução de personagem, batalhas em turnos e itens consumíveis. Shining Force depende de estratégia, uso de itens de forma correta e de uma movimentação bem feita. Como também, possui ótimos diálogos entre os personagens e uma qualidade gráfica bem feita.

Jogabilidade:

Como mencionado anteriormente, Shining Force é um jogo de turnos, onde o jogador controla um grupo de amigos com golpes especiais, habilidades únicas e classes diferentes. Além disso, possui uma ótima história, com uma grande quantidade de NPCs, inimigos e cenários. Também, Shining Force conta com um sistema de níveis a partir do XP ganho após as batalhas, utilizado para melhorar as classes dos personagens e liberar habilidades especiais. O jogo disponibiliza um grande mundo para o jogador, permitindo que vá para onde quiser e quando desejar.

História:

O enredo de Shining Force é muito bem elaborado e profundo, girando em torno no reino de Guardiana. O reino é invadido por forças malignas, comandadas por um feiticeiro maléfico chamado Darksol. Esse feiticeiro deseja o poder das Jewels of Light (Joias da Luz), capazes de renascer o antigo e assustador Dark Dragon, um dragão com o poder de controlar todo o mundo. Com isso, um jovem fazendeiro que vive em uma pequena aldeia chamada Rindo, Max, é escolhido pelo ser divino “Astral” para liderar um grupo de guerreiros nomeados como “Shining Force”, destinados a combater os planos malignos de Darksol.

À medida que Max e a Shining Force avançam, são revelados novos aliados com habilidades e classes únicas que podem ser adicionados ao grupo. Eles se aventuram por todo o reino de Guardiana, enfrentando montanhas, desertos e florestas infestadas de inimigos poderosos, desvendando mais sobre o vilão, Darksol.

Em suma, o jogo culmina em Max e o grupo de heróis impedindo que Darksol reviva o Dark Dragon, em uma épica batalha final contra o próprio.

 

28. Shining Force II

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Microsoft Windows, Wii, Xbox 360, PS3

Batalha entre o protagonista e o inimigo Gizmo em Shining Force II. (Divulgação / Internet)
Batalha entre o protagonista e o inimigo Gizmo em Shining Force II. (Divulgação / Internet)

Shining Force se tornou um sucesso em relação à jogos de RPG de ação, culminando em uma sequência para o primeiro jogo. Em 1993, Shining Force II foi lançado, permanecendo com sua grande criatividade e jogabilidade por turnos, além de melhorias notáveis no gráfico, trilha sonora e nos cenários. Sem dúvidas, essa sequência da franquia é considerada um ótimo avanço para os jogos de RPG da época.

Jogabilidade:

Shining Force II mantém sua jogabilidade de turnos e com um mundo incrivelmente grande, permitindo a exploração de cada canto, com uma vasta variedade de interações presentes nas explorações. Assim como o título anterior, esse jogo mantém o recrutamento de NPCs para o grupo do protagonista, cada um deles possuindo uma classe e equipamentos diferentes.

História:

Em Shining Force II, a história possui uma história própria com o mesmo grupo de heróis chamado Shining Force. O enredo do game é baseado no novo protagonista, Bowie, um fazendeiro do tranquilo reino de Granseal.

Um dia, em Granseal, um ladrão chamado Slade rouba as Pedras da Luz e das Sombras que selavam um antigo demônio. Ao descobrir o que havia feito, o ladrão corre em direção ao reino. Porém, já era tarde demais pois o Rei Granseal havia sido atacado por um ser desconhecido. Então, um grupo de heróis é chamado para deter esse mal, e esses heróis eram: Bowie, o protagonista e escudeiro do grupo; Chester, o bravo cavaleiro; Sarah, a determinada curandeira; Sir Astral, o líder da Shining Force. Durante a investigação, os heróis descobriram que um feiticeiro maligno está renascendo da escuridão, seu nome é Zeon, o Príncipe das Trevas.

Conforme o grupo Shining Force avança em sua missão, é revelado que o objetivo de Zeon é a destruição dos mundos e que o processo estava finalizando. Então, o objetivo desses heróis culmina em uma batalha contra o feiticeiro Zeon, a luta que finaliza a aventura da Shining Force.

 

29. Mega Bomberman

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, PSP, PS3, Wii, Wii U

Imagem de uma das fases de Mega Bomberman para Mega Drive. Divulgação / Internet)
Imagem de uma das fases de Mega Bomberman para Mega Drive. Divulgação / Internet)

Em 1994, uma das sagas que mais fez sucesso entre os videogames lança uma sequência exclusiva para o Mega Drive, o Mega Bomberman. O jogo é conhecido por ser simples e possuir características únicas e carismáticas. Além disso, Mega Bomberman apresenta fases diferentes e inimigos mais difíceis que os anteriores. Vale a pena dar uma visitada nesse jogo!

Jogabilidade:

A franquia Bomberman é baseada em deixar bombas em locais estratégicos, tanto para destruir paredes quanto para derrotar um oponente. Após cada estágio completo, o mapa será substituído por outro com um design bem diferente, tornando o jogo mais diversificado. Uma das melhores características da franquia Bomberman é o seu modo de dois jogadores, podendo se divertir com sua família, amigos e muito mais.

História:

Infelizmente, o jogo Mega Bomberman não possui uma história desenvolvida. Ele é baseado apenas na competitividade entre os oponentes e a destruição das bombas nos cenários.

 

30. Ecco the Dolphin

Plataforma(s): Mega Drive, Master System, Game Boy Advance, Nintendo DS, Sega CD, Game Gear

Imagem da família de golfinhos no jogo Ecco the Dolphin. (Divulgação / Internet)
Imagem da família de golfinhos no jogo Ecco the Dolphin. (Divulgação / Internet)

Desenvolvido pela SEGA, Ecco the Dolphin é um inovador jogo para os gamers de 1992, com sua jogabilidade única e um foco meio diferenciado. O jogo gira em torno de um golfinho carismático que nada pelo mar aberto, resolvendo puzzles, encontrando outros animais aquáticos e descobrindo o mundo subaquático. Ecco the Dolphin é um jogo que merece a sua atenção e é extremamente recomendado, tanto pelo seu “clima calmo” quanto pela sua trilha sonora memorável.

Jogabilidade:

Ecco the Dolphin oferece uma jogabilidade relaxante e bem diferente do habitual, por ser um jogo onde você controla um golfinho em uma aventura em alto mar. Nesse jogo, você entra na pele do golfinho Ecco, onde poderá nadar enquanto ouve uma música marcante, comunicar-se com outros golfinhos, utilizar habilidades especiais e realizar várias piruetas no ar. No entanto, mesmo que Ecco the Dolphin seja um jogo “relaxante”, o jogador não estará em paz nesse alto mar pois existem algumas ameaças à serem combatidas. Mas no geral, é um jogo ótimo para passar o tempo.

História:

Além da tranquilidade que o game transmite, Ecco the Dolphin oferece um enredo cativante e profundo para o jogador. O jogo gira em torno do protagonista Ecco em busca de sua família e amigos que estão desaparecidos, enfrentando animais aquáticos hostis e amigáveis.

Ao longo da jordana de Ecco, um ser misterioso e assustador está por trás de acontecimentos estranhos que ocorrem no mar, esse ser é chamado de “Vortex Queen”, um ser extraterrestre que criou uma grande quantidade de desafios e caos pelo oceano. Então, o carismático golfinho recebe habilidades e poderes de uma entidade chamada Asterite, enfrentando a Vortex Queen e protegendo a vida aquática contra os extraterrestres para trazer sua familia de volta.

 

31. Ecco: The Tides of Time

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Microsoft Windows, Linux, Game Gear, MacOS, Wii, Master System

Ecco the Dolphin foi um sucesso imenso, culminando em sua sequência “Ecco: The Tides of Time“, em 1994. O jogo oferece o mesmo “clima” de seu título anterior, sendo ele calmo e misterioso, instigando a curiosidade do jogador. Além disso, Ecco: The Tides of Time continua a história do cativante golfinho em busca de resolver mistérios do oceano.

Jogabilidade: 

Assim como o primeiro jogo, a sequência Ecco: The Tides of Time possui uma gameplay suave e relaxante, podendo até ser assustador para algumas pessoas. O jogo se baseia no golfinho Ecco em busca de respostas, passando por quebras-cabeças, enfrentando inimigos, conhecendo novas amizades e completando desafios. Apesar de algumas pessoas considerarem o jogo como “bobo”, Ecco: The Tides of Time é um game completíssimo e com muito sentimento por trás.

História:

O enredo do game se passa após os eventos de Ecco the Dolphin, o primeiro jogo da franquia, em uma jornada cheia de segredos e desequilíbrios temporais. O game Ecco: The Tides of Time se inicia com o carismático golfinho, perdendo as habilidades especiais que havia herdado de Asterite e descobrindo que existem anomalias temporais ocorrendo com o oceano. Ecco conhece um golfinho que o leva para o futuro, onde encontra Asterite. Ele explica ao nosso querido golfinho que, o Vortex Queen que haviam derrotado anteriormente ainda está vivo e que o vilão criou duas linhas temporais diferentes. Logo, o objetivo de Ecco é derrotar novamente o vilão e renovar a paz que habitava no oceano. Nessa aventura marinha, Ecco irá batalhar contra chefes “estranhos”, conhecer outros animais aquáticos e desvendar os mistérios que habitam os mares.

 

32. Wonder Boy in Monster World

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Master System, Turbo Graf-16, Microsoft Windows, Linux, MacOS, PS3, Wii

53 Melhores Jogos de Mega Drive (parte 2)

Um dos games que não podem faltar em nossa lista é o Wonder Boy in Monster World, o quarto game da franquia “Wonder Boy”. Lançado em 1991, o game destaca elementos de combate, plataforma e RPG, envolvendo muita exploração e interações com NPCs e cenários. O game foi um sucesso na década de 90 com o seu gráfico colorido, um sistema de quests inovador, sua dificuldade consideravelmente alta e inimigos únicos.

Uma curiosidade sobre o game é que a empresa Tec Toy e o Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica, desenvolveram uma versão própria da vizinhança da Turma da Mônica.

Jogabilidade:

Como mencionado anteriormente, o jogo engobla os elementos de RPG, como o combate com inimigos inéditos, evolução de personagem, coleta de itens e muito mais. Também, Wonder Boy in Monster World possui um sistema de evolução de itens, possibilitando que os jogadores melhorem seus equipamentos com o dinheiro ganho das fases.

Wonder Boy in Monster World é um jogo completo quando nos referimos à jogos de RPG devido à sua ótima mecânica de progressão, podendo aventurar-se por cavernas profundas, cidades pacíficas e arenas de chefes. Além disso, o jogo inclui mais armas e equipamentos, permitindo que os jogadores tenham um estilo próprio de gameplay.

História:

O game se passa após os acontecimentos em seu título anterior e introduzindo um novo protagonista, o Shion. Shion é um cavaleiro que estava realizando um treinamento, mas ao voltar para o seu lar percebe-se que algo horrível está acontecendo. A Árvore da Vida da aldeia está morrendo, devido à um mal que habita as terras da região. Então, Shion procura respostas em um sábio que mora na aldeia, revelando que o garoto deve encontrar os Quatro Espíritos Elementares se desejar respostas. O objetivo é claro e Shion rapidamente inicia sua jornada.

Conforme o jogo avança, cada integrante dos Quatro Espíritos Elementares são encontrados, revelando que o mal que assombra o mundo está por trás de um ser maligno chamado BioMeka, uma criatura semelhante à um peixe-diabo. Shion continua sua missão até derrotar o vilão, enfrentando ordas e ordas de inimigos e cenários encantadores.

 

33. Super Hang-On

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Arcade, Game Boy Advance, Amiga, Atari ST, Macintosh, ZX Spectrum, Commodore 64, X68000, Nintendo 3DS, PS4

Imagem da Largada da corrida de motocicleta, no game "Super Hang-On". (Divulgação / Internet)
Imagem da Largada da corrida de motocicleta, no game “Super Hang-On”. (Divulgação / Internet)

Inicialmente lançado para fliperamas, em 1987, Super Hang-On foi um sucesso dos jogos de corrida de motocicletas. O jogo foi adaptado para outros consoles conforme a popularidade aumentava, fomentando a vontade por velocidade dos jogadores. Super Hang-On oferece cenários bonitos, uma trilha sonora emocionante e pistas diversificadas. Um jogo perfeito para quem é fã de velocidade e adrenalina.

Jogabilidade:

Super Hang-On possui uma jogabilidade considerada “clichê” de games arcade de corrida, permitindo que os jogadores acelerem o quanto desejarem e realizem curvas fechadas e abertas em busca pela vitória. Também, o jogo possui inúmeros circuitos, sendo eles em diferentes continentes, como a África, Ásia, Europa e América. Além disso, o jogo possui mais de um modo de jogocomo o modo “Contra o Tempo” e o modo “Corrida”.

História:

Super Hang-On não possui uma história elaborada. Por isso, o jogador deverá colocar-se no contexto de um piloto de motocicleta que está participando de um torneio, enfrentando outros pilotos pela vitória.

 

34. Thunder Force III

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Super Nintendo Entertainment System, Nintendo Switch, Sega Saturn, Nintendo 3DS

Imagem da batalha do jogador contra um chefe do game "Thunder Force III". (Divulgação / Internet)
Imagem da batalha do jogador contra um chefe do game “Thunder Force III”. (Divulgação / Internet)

Uma das franquias mais conhecidas dos “jogos de navezinha” é a saga “Thunder Force”, focada especialmente na adrenalina e agilidade da gameplay. Em junho de 1990, a sequência “Thunder Force III” é lançada, trazendo muitas novidades aos fãs de intensas horas de jogo, como: trilhas sonoras intensas, desafios difíceis e fases memoráveis. Esse é um dos jogos que se você pegasse para jogar agora, iria passar horas jogando sem cansar.

Jogabilidade:

A jogabilidade de Thunder Force III gira em torno de naves que atiram para todo o lado, dependendo da agilidade e estratégia do jogador. Conforme o avanço no jogo, é possível encontrar power-ups que auxiliam o jogador, desde deixando-o invencível por um período de tempo até aumentando a quantidade de tiros que é dado pela arma. Também, Thunder Force III apresenta fases variadas e inimigos inéditos em cada uma delas. Além disso, o jogo permite que o jogador escolha sua própria nave espacial e armas poderosas, possibilitando diferentes tipos de jogabilidade e de progresso.

O jogo é baseado em mover-se pela tela, para desviar de projéteis inimigos, e em atirar nos oponentes, o básico de jogos de tiro. Porém, o que o diferencia de outros jogos do gênero, é a sua dificuldade exagerada e seu enredo que é alternativo.

História:

Thunder Force III possui um enredo mais profundo, comparando-o com outros jogos da franquia. Em suma, o jogo se passa no século XXI, onde a Terra está em guerra com uma organização maligna chamada “ORN”, que deseja dominar e destruir a Terra. Com isso, o jogador entra na pele de um piloto de aeronave de combate, onde terá que combater ordas de inimigos extraterrestres, que vão desde pequenas naves até imensas estações espaciais.

Até o fim do jogo, o jogador já terá enfrentado vários chefes e naves de combate poderosíssimas, culminando em uma épica batalha contra um General da corporação ORN. O destino da população da Terra está nas mãos desse piloto e do próprio jogador.

 

35. Thunder Force IV

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Nintendo Switch, Sega Saturn

Imagem da batalha entre o jogador e um dos bosses de "Thunder Force IV". (Divulgação / Internet)
Imagem da batalha entre o jogador e um dos bosses de “Thunder Force IV”. (Divulgação / Internet)

Apesar do fim de Thunder Force III, a franquia não poderia terminar nele, não é mesmo? Em 1992, especialmente lançado para os consoles da SEGA, é lançado “Thunder Force IV” esse game continua a tradição da saga com sua agilidade nas fases e a dificuldade elevada em cada uma delas. Ainda, o Thunder Force IV possui uma trilha sonora ótima e que combina perfeitamente com a intensidade do jogo.

Jogabilidade:

Assim como sua franquia, Thunder Force IV é um jogo baseado em batalhas de naves espaciais que atiram para todos os lados, desafiandos os jogadores em missões rápidas e difíceis. Como os jogos anteriores, o game possui opções de naves e armas diferentes, permitindo que cada jogador tenha o seu próprio estilo de jogo. Também, os  power-ups estão de volta ao game, introduzindo novas habilidades que são de grande auxílio no meio do tiroteio.

O jogo Thunder Force IV introduziu a seleção de dificuldade, permitindo que cada jogador, seja ele casual ou profissional, possa jogar o game do jeito que desejar. Alguns acham que essa adição não foi necessária por ser uma franquia difícil, porém permitiu que pessoas casuais pudessem aproveitar o jogo igualmente.

História:

Todas os títulos da franquia Thunder Force possuem um enredo bem elaborado e, em Thunder Force IV, não é diferente. Resumidamente, após os eventos de Thunder Force III, uma nova ameaça chamada “Dark Nebula” surge para a Terra. A Dark Nebula é uma organização maléfica assim como a ORN, porém, desejam dominar e absorver o poder de uma estrela chamada “Darkstar”. O protagonista dessa história é um piloto da aeronave Fire LEO-04 Rynex, que enfrentará essa organização em busca pela paz da humanidade.

Após as batalhas, são reveladas mais informações sobre a Dark Nebula e de seu exército. Essas batalhas culminam em uma luta entre o piloto escolhido e o líder da organização maligna, onde dependerá do jogador para vencer.

 

36. Virtua Racing

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Arcade, 32X, Saturn, PS2, Switch

Captura de tela do veículo F1 em uma corrida de Virtua Racing. (Divulgação / Internet)
Captura de tela do veículo F1 em uma corrida de Virtua Racing. (Divulgação / Internet)

Desenvolvido pela SEGA, Virtua Racing é um jogo inovador para o mundo dos videogames, considerado por ser um dos primeiros jogos à possuir gráficos 3D poligonais, incrível né? Lançado em 1992, esse jogo oferece um sistema padronizado para a renderização dos polígonos em tempo real, um grande marco para o nosso mundo virtual. Enfim, o jogo Virtua Racing gira em torno de circuitos de alta velocidade, em pistas e veículos poligonais do clássico gênero de corrida.

Jogabilidade:

Como mencionamos anteriormente, o jogo possui texturas e moldagens poligonais em todas as partes, o que impressionou o mundo todo com o seu “gráfico realista”. Virtua Racing é um jogo de corrida com progressão por fases e níveis de dificuldade, o que expande o seu público para os jogadores mais casuais. Como também, o jogo possui a câmera em terceira pessoa e, surpreendentemente, também contém uma câmera em primeira pessoa, permitindo que jogadores possam visualizar e pilotar o veículo através da perspectiva do personagem.

O controle do jogo também possui alterações, como, por exemplo a suavidade introduzida na direção do veículo que é impressionante. Além disso, Virtua Racing possui modos de jogo diferentes, podendo jogar em campeonatos, corridas normais e treinamentos em circuitos diversificados e exclusivos do mundo poligonal.

História:

Virtua Racing não possui uma trama desenvolvida. No entanto, pode-se entender que, o jogo se passa em um torneio de Fórmula 1, onde os participantes competem pelo primeiro lugar

 

37. Virtua Fighter 2

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, R-Zone, Arcade, Saturn, PS2, PS3, Microsoft Windows, iOS, Xbox 360

Foto da batalha de dois personagens em Virtua Fighter 2, o Kage e o Jeffry. (Divulgação / Internet)
Foto da batalha de dois personagens em Virtua Fighter 2, o Kage e o Jeffry. (Divulgação / Internet)

O Mega Drive é um console que impressionou desde seu lançamento, por possuir os mais clássicos games até jogos com texturas e moldagens em 3D. Nesse contexto, adicionamos o Virtua Fighter 2 à lista por ser um dos primeiros games a introduzir os gráficos 3D. Lançado dois anos após Virtua Racing, em 1994, o jogo adotou o sistema de gráficos tridimensionais em um jogo de luta corpo a corpo. Virtua Fighter 2 é um jogo completo, possuindo vários cenários, trilhas sonoras e personagens únicos: o Dura, Akira Yuki, Jacky Bryant, Jeffry McWild, Kage-Maru, Lau Chan, Lion Rafale, Pai, Chan, Shun Di, Wolf Hawkfield e Sarah Bryant.

Lembrando que, esse jogo roda sim no Mega Drive, também tendo adaptações para PS2, PS3 e Xbox 360. Impressionante!

Jogabilidade:

O inovador Virtua Fighter 2 possui uma jogabilidade sem igual, na época, ao permitir que jogadores possam “circular” os seus oponentes. Sim! Os jogadores podem andar livremente pelo cenário. Os controles do jogo são os básicos dos jogos de luta corpo a corpo, podendo defender-se dos ataques, atacar de acordo com combos e pular pelo cenário. No geral, o jogo é completo e inovou o mundo dos games com seus sistemas 3D.

História:

Assim como o seu antecessor, Virtua Fighter 2 não possui uma trama profunda. No entanto, podemos contextualizar com um grupo de participantes de um torneio, lutando pela vitória iminente.

 

38. Strider

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Master System, TurboGrafx-CD, Amiga, Atari ST, Commodore 64, Sharp X68000

Com sua origem nos fliperamas, Strider (1989) é um jogo baseado no personagem Hiryu, um shinobi poderoso em sua aventura pelo país. O jogo tem seu destaque nos gêneros Hack and slash, plataforma e ação, possuindo uma dificuldade bem elevada. Além disso, o jogo oferece uma mecânica própria de combate e agilidade na jogabilidade, bem diferente do habitual.

Uma curiosidade sobre o protagonista do jogo, Hiryu, é que ele aparece, como um crossover, no jogo Marvel vs Capcom.

Jogabilidade:

O jogo “Strider” destaca sua jogabilidade ágil entre plataformas e inimigos com dificuldade consideravelmente alta. Ele possui cenários cibernéticos e futuristas, com chefes, obstáculos e, obviamente, os power-ups que auxiliam o jogador durante a fase. Como também, Hiryu possui: ataques rápidos, golpes de movimento, ataques durante o salto, combos, habilidades especiais e projéteis.

História:

Apesar de muitos jogos da década de 80 não possuírem uma história, Strider possui uma trama desenvolvida. O jogo se passa em um futuro dominado pela tecnologia, onde uma organição perversa domina a cidade local. Hiryu, o ninja protagonista do jogo, parte para a cidade em busca de derrotar o líder da organização, o Grandmaster Meio. Hiryu possui uma bela espada nomeada como “Cypher”, utilizando-a para vencer os inimigos que estiverem em seu caminho.

Conforme o ninja enfrenta oponentes fracos e poderosos, mais informações são reveladas sobre o vilão maligno Grandmaster Meio, e ele luta com o próprio futuramente para terminar com a corrupção e a maldade da cidade.

 

39. Sparkster: Rocket Knight Adventures 2

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis

Exclusivamente para o nosso querido Mega Drive, foi lançado em 1994 o jogo Sparkster: Rocket Knight Adventures 2, que é considerado pela comunidade “um dos melhores jogos de Mega Drive”. Sparkster é o segundo game da franquia e junta elementos de vários jogos em apenas um, como o Sonic The Hedgehog, Kid Chameleon, entre outros. O jogo é centralizado no gênero de plataforma e combate, com inúmeros inimigos pelo mapa e chefes únicos à serem combatidos pelo jogador.

Jogabilidade:

Sparkster: Rocket Knight Adventures 2 introduz o protagonista chamado Sparkster, um guaxinim radical com uma mochila a jato, em cenários futurísticos e ambientes coloridos. No jogo, o jogador pode: atacar rapidamente, voar com sua mochila à jato, realizar combos de pular + atacar e utilizar suas habilidades especiais. Sparkster: Rocket Knight Adventures 2 apresenta inimigos exclusivos, fases intensas e chefes inéditos.

História:

O jogo possui um enredo bem desenvolvido, permitindo que o jogador possa entender melhor o contexto das fases de uma maneira mais explicada. Em suma, a história do jogo se passa após os eventos do título anterior, com o vilão Axel Gear sendo derrotado pelo jogador e, supostamente, a paz sendo restaurada. No entanto, novos vilões ressurgem na região, liderados pelo Rei Lagarto Gedol e seu antigo arqui-inimigo, o Axel Gear. Os vilões avançam com o seu exército maligno ao reino de Zebulos. O guaxinim, destinado à derrotar a ameaça perversa, parte de encontro ao líder dos vilões, enfrentando inimigos e cenários insanos ao longo do caminho.

De acordo com o avanço de Sparkster em sua missão, novos detalhes são expostos e as missões são atualizadas. Dessa maneira, o final dessa batalha torna-se visível para o guaxinim, que enfrentará o seu arqui-inimigo, Axel Gear, em uma insana batalha. Após batalhas épicas, Sparkster chega ao seu último obstáculo, um imenso lagarto chamado King Gedol. A paz do reino e a vida da princesa dependem do jogador e do carismático guaxinim, Sparkster.

40. Shinobi III: Return of the Ninja Master

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Microsoft Windows, Linux, MacOS, Nintendo Switch, iOS, Wii

Imagem de uma batalha entre o protagonista e um dos bosses do jogo "Shinobi III: Return of the Ninja Master". (Divulgação / Internet)
Imagem de uma batalha entre o protagonista e um dos bosses do jogo “Shinobi III: Return of the Ninja Master”. (Divulgação / Internet)

Inicialmente para os fliperamas, Shinobi III: Return of the Ninja Master rapidamente tornou-se um sucesso no mundo dos videogames. O jogo é extremamente difícil e depende de uma ótima estratégia por parte do jogador, que atravessará fases intensas e inimigos “inteligentes”. Shinobi é um jogo do gênero Hack and slasher, plataforma, Beat' em up e de tiro que, até os dias atuais, é utilizado como referência para “jogos difíceis”.

Jogabilidade:

Com sua respeitável jogabilidade, o Shinobi possui: Shurikens, sua principal arma; Espada, uma arma rápida utilizada à curto-alcançe; habilidades especiais; uma movimentação ágil e suave. Pode parecer simples, porém, os inimigos do jogo são extremamente ágeis e fortes, tornando o jogo mais difícil.

História:

Shinobi III: Return of the Ninja Master apresenta uma história bem elaborada que se encaixa perfeitamente para o contexto do game. Resumidamente, o jogo se passa depois dos acontecimentos dos títulos anteriores, com Joe Musashi, protagonista do jogo, comemorando e relaxando após sua vitória. Só que, uma nova organização maligna, nomeada como Neo Zeed” nasce na região, com fragmentos dos antigos vilões da franquia, os “Zeed”. O objetivo dessa organização é dominar o mundo e de reviver um antigo ser chamado Zeed, capaz de destruir o mundo.

Joe Musashi decide derrotar esse grupo de vilões, superando cenários infestados de inimigos e chefes poderosos. Conforme o shinobi progride em sua missão e se torna uma ameaça para os vilões, o próprio líder da organização confronta o protagonista. No entanto, ao notar que estava prestes a ser derrotado, o líder invoca a antiga criatura, dando início à uma batalha contra Joe Musashi.

 

41. Desert Strike: Return to the Gulf

Imagem de uma base militar no game "Desert Strike: Return to the Gulf". (Divulgação / Internet)
Imagem de uma base militar no game “Desert Strike: Return to the Gulf”. (Divulgação / Internet)

Desert Strike: Return to the Gulf é o primeiro título da franquia e rapidamente se tornou um sucesso dos jogos de ação da época. Ele apresenta uma perspectiva de câmera diferente de outros games e uma mecânica única, referindo-se à gameplay que o jogo proporciona.

Jogabilidade:

A jogabilidade em Desert Strike: Return to the Gulf é baseada em realizar missões em um helicóptero Apache, dependendo de estratégias e agilidade do jogador. O jogo permite que o jogador explore um mundo aberto e enfrente inimigos em uma ambientação desértica de guerra. Como também, oferece missões com objetivos diferentes umas das outras, como derrotar bases inimigas, salvar reféns, proteger alvos, entre muitas outras.

História:

O jogo “Desert Strike: Return to the Gulf” gira em torno da batalha contra uma ameaça nacional, liderada pelo General Kilbaba, que tomou o poder do país do Golfo. Com isso, nações formam uma força tarefa para a contenção desse vilão que, ao dominar o Golfo, adquiriu armas poderosíssimas e equipamentos de alta tecnologia.

Nesse momento, o jogador entrará na pele de um piloto do helicóptero Apache que deverá conter General Kilbaba. Resumindo, o piloto enfrentará ambientes intensos infestados por soldados inimigos, onde deve completar uma série de missões para neutralizar a ameaça. Durante o jogo, novas informações são reveladas sobre Kilbaba, que está preparando uma super arma para dominar as nações. Após destruir acomodações e bases do general, o próprio é encontrado em seu avião prestes a decolar. Cabe ao jogador, pilotar seu helicóptelo e derrotá-lo antes de levantar voo.

 

42. Light Crusader

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Microsoft Windows, Linux, MacOS, Wii, Mac OS, Nintendo Switch

Imagem do protagonista enfrentando criaturas bizarras ao lado de uma escultura dourada misteriosa. (Divulgação / Internet)
Imagem do protagonista enfrentando criaturas bizarras ao lado de uma escultura dourada misteriosa. (Divulgação / Internet)

Em 1995, é lançado o jogo Light Crusader, um jogo de ação e RPG com visão similar ao jogo anterior da lista, o “Desert Strike: Return to the Gulf”. Desenvolvido pela Treasure, Light Crusader é um jogo inovador para o mundo dos jogos de RPG, por sua câmera diferenciada e seus inimigos exclusivos. Ainda por cima, o jogo possui gráficos bonitos, uma trilha sonora impactante e uma mecânica própria.

Jogabilidade:

Como mencionado anteriormente, o jogo tem seu foco no gênero RPG e ação, possibilitando ao jogador muitas horas de jogo e um combate contra inimigos com certo “surrealismo”. Puzzles, exploração, coletas de itens, NPCs, enredo, combate e muitos outros conteúdos que Light Crusader oferece. Sem dúvidas, esse jogo marcou muitas crianças e, também, assustou elas com seus inimigos horripilantes.

História:

A trama do game é baseada no protagonista David Lander, que decide investigar alguns desaparecimentos e acontecimentos estranhos ocorrendo na cidade de Green Row. Em suma, o bravo Sir David descobre que um portal encantado foi aberto e que criaturas malignas invadiram o mundo dos humanos. O portal foi aberto por um mago perverso chamado Ragno, que capturou as pessoas do vilarejo para aumentar o seu próprio poder. Decidido a salvar a população Green Row, Sir David enfrenta salas cheia de monstros ágeis e bizarros, quebra-cabeças e ambientes assustadores, onde, na sala final, o vilão Ragno é encontrado e pronto para a batalha. Sir David deve derrotá-lo e fechar o portal maléfico antes que seja tarde demais…

43. Mega Man: The Wily Wars

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis

Fase "Floresta" com o protagonista e seus inimigos em Mega Man: The Wily Wars. (Divulgação / Internet)
Fase “Floresta” com o protagonista e seus inimigos em Mega Man: The Wily Wars. (Divulgação / Internet)

Sem dúvidas, a franquia Mega Man é um grande sucesso e, dificilmente, alguma pessoa com um mínimo de conhecimento sobre jogos conheça. Em 1994, especialmente para o console Mega Drive, foi lançado o título Mega Man: The Wily Wars que inclui remakes dos jogos anteriores, Mega Man 1, Mega Man 2 e Mega Man 3. Ainda po cima, o jogo apresenta novas mecânicas, modos de jogo e fases inéditas.

Jogabilidade:

No geral, Mega Man: The Wily Wars oferece novos gráficos aos seus títulos anteriores e um novo modo de jogo que, nada mais é do que uma série de desafios a serem completos pelos jogadores. Falando sobre o remake, os jogos são do gênero de plataformas e ação, permitindo que os jogadores enfrentem obstáculos, ambientes coloridos e inimigos consideravelmente difíceis.

Falando sobre os comandos do jogo estã: o Buster Shot, ataque padrão de Mega Man 1, podendo carregar o tiro para um dano elevado; Metal Blade, lâminas que podem ser atiradas para todos os lados; Bubble Lead, bolhas de água que são disparadas pela arma de Mega Man; Air Shooter, disparos em rajada que se espalham pelo ar; Quick Boomerang, como o próprio nome já diz, é um bumerangue rápido, capaz de ser lançado e retornando em seguida ao Mega Man; Slide Ability, movimento de deslizar no chão, permitindo que o jogador possa se mover por locais estreitos; Needle Cannon, disparo de agulhas que se espalham pelo local; Shadow Blade, lâminas capazes de rebater em paredes e plataformas; por fim, Top Spin, um golpe especial que causa dano à inimigos próximos.

História:

Mega Man: The Wily Wars é um remake dos três primeiros títulos da série. Portanto a história é do game inclui as tramas da trilogia. Em resumo, a história dos jogos é baseada no confronto entre Mega Man, o protagonista azul da franquia, e o mega vilão, Dr. Wily, que deseja dominar o mundo. Ciente dos planos perversos de Wily, Mega Man derrota os robôs nefastos e enfrenta o vilão em uma batalha épica. Após ser derrotado muitas vezes e ao ver seus robôs sendo derrotados pelo protagonista, retorna com novas criações, no qual Mega Man confronta futuramente.

 

44. Earthworm Jim

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Game Boy, Game Gear, Windows, MS-DOS, Master System, Game Boy Advance, Super NES, Sega CD,

Earthworm Jim se tornou popular no mundo dos games logo após seu lançamento em 1994. Desenvolvido pela Shiny Entertainment, o jogo rapidamente conquistou os jovens por combinar os estilos, ação e comédia. Atualmente, Earthworm Jim se transformou em um clássico dos videogames.

Jogabilidade:

A jogabilidade de Earthworm Jim é marcada por mitustura de ação com elementos de plataforma e muito humor. Ao iniciar o jogo, prepare-se para atirar em seus inimigos com uma poderosa arma laser e utilizar sua cabeça como gancho para se mover rapidamente pelos obstáculos. Além disso, existem diferentes fases, garantindo que os jogadores se divirtam ao máximo!

História:

Earthworm Jim é um jogo de plataforma que mistura elementos de ação e muita comédia. Desenvolvido pela Shiny Entertainmen, o jogo é sobre uma minhoca chamada JIm, que se transforma em um herói após encontrar uma armadura alienígena. Seu dever será resgatar a princesa What's-Her-Name da vilã Queen-Slug-a-Butt.

45. Earthworm Jim 2

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Windows, MacOS, Linux, Wii, SNES, Saturn, MS-DOS, PlayStation, Game Boy Advance

Imagem do protanista do game "Earthworm Jim 2" atirando em seu inimigo. (Divulgação / Internet)
Imagem do protanista do game “Earthworm Jim 2” atirando em seu inimigo. (Divulgação / Internet)

Após o sucesso que o primeiro título havia se tornado, a sequência “Earthworm Jim 2″ é divulgada ao mundo. No geral, o jogo mantém seu jeito humorístico e seus elementos combinados de plataforma, tiro e aventura, tornando-se um grande êxito para as crianças da época. Logo, o segundo título da saga apresenta gráficos melhorados e comandos suavizados, sendo uma grande melhoria em comparação com o jogo anterior.

Jogabilidade:

Como discutimos anteriormente, Earthworm Jim 2 preserva o seu estilo cômico e “engraçadinho”, fazendo crianças e adultos divertirem-se passando o tempo jogando esse joguinho. Baseado na mecânica de tiro e plataformas, o jogo apresenta o protagonista Jim em ambientes extraterrestres, futurísticos e bem coloridos, onde enfrenta inimigos peculiares e chefes extravagantes. Preservando as mecânicas do título anterior, o sistema de armas também apresenta um jeito engraçado, disparando faces, balas que voam por um curto período, ganchos para escalar e muito mais. Ainda por cima, o jogador pode coletar itens e pontos espalhados pelo mapa. Sem dúvidas, um jogo de plataformas completo e original.

História:

O enredo de Earthworm Jim 2 continua sendo peculiar porque cada fase possui sua própria história e objetivos. Desde confrontos de chefes difíceis até uma paródia de um programa de televisão, esse jogo desperta a curiosidade dos jogadores que se perguntam: Que doidera vai acontecer na próxima fase?

Resumindo, o game distribui fases cômicas com objetivos e tramas diferentes para o jogador, instigando risos e o divertimento de seu público.

 

46. Shadow Dancer: The Secret of Shinobi

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, MacOS, Microsoft Windows, Linux, Wii

Imagem de Joe Musashi e seu companheiro contra inimigos do game "Shadow Dancer: The Secret of Shinobi". (Divulgação / Internet)
Imagem de Joe Musashi e seu companheiro contra inimigos do game “Shadow Dancer: The Secret of Shinobi”. (Divulgação / Internet)

Shadow Dancer: The Secret of Shinobi foi lançado pela SEGA em 1989 e tornou-se popular por ser um jogo de arcade. Com o passar do tempo, o game foi adaptado para várias plataformas de videogame e tornou-se uma sequência direta do jogo Shinobi original, da série Shinobi da SEGA. Não podemos deixar de mencionar o quão esse jogo inovou com seus ambientes de guerra futurísticos, oponentes difíceis e o protagonista, sem dúvidas, “radical”.

Jogabilidade:

Shadow Dancer: The Secret of Shinobi é popularmente conhecido por sua jogabilidade desafiadora e dinâmica. Joe Musashi, o protagonista, é responsável por enfrentar hordas de inimigos poderosos em um cenário urbano e industrial. Entre a grande variedade de habilidades que o personagem possui, estão os golpes básicos de shurikens, bombas arremessáveis, ataques com a espada e a chamada de um poderoso cão.

História:

A história do jogo Shadow Dancer: The Secret of Shinobi gira em torno de um ninja chamado Joe Musashi. O enredo começa quando um grupo terrorista liderado pelo Super Líder, um inimigo antigo de Joe, ameaça detonar bombas nucleares na cidade de Tóquio. Depois disso, Joe Musashi deve defender a cidade desse terrível vilão.

 

47. Splatterhouse 2

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Wii

Imagem da batalha do protagonista, Rick Taylor, contra as criaturas perversas da mansão West. (Divulgação / Internet)
Imagem da batalha do protagonista, Rick Taylor, contra as criaturas perversas da mansão West. (Divulgação / Internet)

Das dezenas de jogos que apresentamos na lista, nenhum é do gênero de terror, não é mesmo? Portanto, Adicionamos o jogo Splatterhouse 2, lançado em 1992, para aqueles que gostam e experimentaram a saga Splatterhouse antigamente. Desenvolvido pela Namco, basicamente a franquia gira em torno dos gêneros Beat' em up, ação e terror. Splatterhouse também assustou muitas crianças que sem querer iniciaram o game e marcou àqueles que curtiam o gênero.

Jogabilidade:

Sendo semelhante ao primeiro título da franquia, o jogo é baseado em side scrolling Beat' em up, um gênero relativo à câmera do jogo que persegue o personagem principal, junto ao gênero de combate corpo a corpo contra ordas de inimigos. Splatterhouse 2 apresenta uma jogabilidade flúida, com muitos cenários e ambientes horripilantes, inimigos assutadores e medonhos, incluindo também uma grande quantidade de sangue e “gore”.

O jogador entra na pele de Rick Taylor, permitindo que o jogador decida um entre os finais disponíveis. Além disso, o protagonista contém uma série de golpes e habilidades especiais, como: um soco padrão, chutes, ataques com armas encontradas durante as fases, ataques ao correr, bloqueio, arremessar inimigos e agarrá-los.

História:

Com sua profunda narrativa, o game se passa após os eventos do primeiro título da série, com o protagonista, Rick Taylor, e sua namorada, Jennifer Willis, escapando da mansão West. No entanto, Jennifer começou a ter pesadelos e visões da mansão, sendo possuída por um espírito maligno da mansão e em seguida voltando para o local. Rick decidido à salvar a sua amada retorna à mansão, onde enfrenta ambientes assutadores infestados de criaturas estranhas. A vida de Jennifer está nas mãos de Rick e dos jogadores, é claro…

 

48. Splatterhouse 3

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis

Protagonista de Splatterhouse 3, Rick Taylor, contra um dos chefes do game. (Divulgação / Internet)
Protagonista de Splatterhouse 3, Rick Taylor, contra um dos chefes do game. (Divulgação / Internet)

O terceiro game da franquia “Splatterhouse 3” é lançado um ano após o seu antecessor, mantendo sua criatividade, violência e sua jogabilidade medonha, obviamente. O jogo trouxe melhorias, uma sequência para sua trama, cenarios e inimigos inéditos.

Jogabilidade:

A jogabilidade de Splatterhouse 3 é similar aos títulos anteriores, contendo novos ataques, movimentos exclusivos e habilidades especiais. Uma das novas habilidades de Rick Taylor é o Modo Berserk, que transforma e eleva os poderes do protagonista, deixando-o maior e mais musculoso. No geral, o jogo mantém o gênero da franquia, tendo o seu foco em adições de novos inimigos e cenários novos.

História:

O jogo Splatterhouse 3 continua o enredo dos jogos anteriores, com o protagonista Rick Taylor, a namorada Jennifer Willis, e o filho do casal, David. Resumidamente, o jogo se passa muitos anos após os acontecimentos de Splatterhouse 2, incluindo o nascimento do filho de Rick. No entanto, os pesadelos e visões retornam a família amaldiçoada, convidando-os para a mansão West. O casal decide que esse mal precisa terminar e trazer a paz novamente à família, viajando para a tal mansão. Rick ao chegar no local encontra uma máscara demoníaca, que ajuda-o em sua missão.

 

49. Monster World IV

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, PS2, PS3, Wii, Xbox 360

Foto capa do jogo "Monster World IV" e a sua protagonista, a Asha. (Divulgação / Internet)
Foto capa do jogo “Monster World IV” e a sua protagonista, a Asha. (Divulgação / Internet)

Monster World IV é perfeito por unir dois elementos, ação e aventura. Lançado originalmente no Japão em 1994, o game se tornou o queridinho das crianças e jovens da época. Monster World IV chegou no mercado especialmente na plataforma do clássico console SEGA Mega Drive (Também conhecido como SEGA Genesis). Desenvolvido pela Westone Bit Entertainment, a história do jogo gira em torno da personagem Asha, uma jovem que vive em um mundo de fantasias.

Jogabilidade:

Monster World IV é responsável por possuir uma jogabilidade envolvente com diversos elementos mágicos, junto da jovem Asha, protagonista do jogo. O jogo é baseado nos gêneros de aventura, plataforma e RPG, oferecendo um sistema de compra de itens, equipamentos e dinheiro recebido de fases. Os golpes apresentados pelo jogo são: ataques mágicos, chutes, ataques básicos, golpes de pulo e bloqueio.

História:

O enredo de Monster World IV ocorre em um universo fantástico e mágico, o lar da personagem e protagonista Asha. O enredo se inicia quando a jovem Asha ouve um chamado misterioso e isso a motiva a embarcar em uma jornada de resgate. Sua missão será salvar os Quatro Espíritos Elementares, seres reponsáveis por governar o mundo. Mas sua jornada não será solitária, Asha terá a companhia de seu fiel amigo, uma criatura chamado Pepelogoo. Além disso, Pepelogoo é capaz de voar, o que tornará a aventura de Asha ainda mais emocionante.

 

50. Columns

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Arcade, PS3, Sega Master System, PC98, Super Nintendo Entertainment System, MSX, TurboGrafx-16, Sega Game Gear, Microsoft Windows, iOS

Imagem contendo o level 40 do game Columns. (Divulgação / Internet)
Imagem contendo o level 40 do game Columns. (Divulgação / Internet)

Desenvolvido pela SEGA, Columns foi publicado buscando ser a nova sensação dos jogos de estratégia, com uma mecânica similar ao jogo “Tetris”. Não deixe se levar pela aparência, o jogo é “simples” mas consideravelmente difícil.

Jogabilidade:

Columns é baseado na câmera vertical, onde joias caem do céu. Essas jóias possuem cores diferentes e são controlas pelo jogador, que deve movê-las para fazer uma sequência de três jóias da mesma cor, seja na vertical, horizontal ou diagonal. Caso alguma coluna de jóias alcancem o topo da tela, o resultado será a derrota e o reinício do game. Ainda por cima, conforme o jogador avança e acumula pontos, a velocidade de queda das jóias é aumentada, proporcionando uma dificuldade crescente à medida que tempo passa.

História:

Columns é um jogo que não possui um enredo, baseando-se apenas na diversão e estratégia do jogador para passar de fases.

 

51. Columns III: Revenge of Columns

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Linux, Microsoft Windows, MacOS, Wii, Arcade

Imagem do jogo "Columns III: Revenge of Columns" e seu modo de dois jogadores. (Divulgação / Internet)
Imagem do jogo “Columns III: Revenge of Columns” e seu modo de dois jogadores. (Divulgação / Internet)

Com o sucesso que os dois títulos da saga Columns obtiveram, foi publicado “Columns III: Revenge of Columns“, a terceira sequência da série. Uma série de novidades foi proporcionada pelo game, apresentando novos modos de jogo, gráficos e trilha sonora. Um jogo bem completo para que deseja desafiar o seu amigo em uma batalha estratégica.

Jogabilidade:

A jogabilidade de Columns III: Revenge of Columns é o mesma nos três títulos. Ele é baseado em jóias coloridas que caem do céu, onde o jogador deve controlá-las e formar uma sequência de três jóias da mesma cor, nas posições verticais, horizontais e diagonais. Com uma série de novidades, o jogo possui uma campanha completa e um sistema de evolução de níveis e elementos de RPG.

Como mencionado anteriormente, foram adicionados novos modos de jogo, como: Flash Columns, o jogador deve completar uma série de fases em sequência; Vs. Columns, um modo competitivo onde dois jogadores, podendo jogar contra um outro jogador ou uma IA; Double Clumns, o jogador participará de um desafio, onde as cores e formas das jóias estão aleatórias.

História:

A trama de Columns III: Revenge of Columns não foi desenvolvida. Porém o jogo possui um contexto para os acontecimentos no game. Basicamente, o jogador está na pele de um explorador que está se aventurando na Pirâmide Columns, em busca de um tesouro perdido. No entanto, inimigos e criaturas misteriosas protegem o baú, cabendo ao explorador lidar com esses obstáculos e completar a sua missão.

 

52. OutRun

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Sega Master System, Commodore 64, Amstrad CPC, ZX Spectrum, MSX, PS2, PSP, Commodore Amiga, Atari ST, PC-DOS, Sega Game Gear, Sega Saturn

Imagem do cenário "Desert Highway" no jogo "Outrun". (Divulgação / Internet)
Imagem do cenário conhecida como “Desert Highway” no jogo “Outrun”. (Divulgação / Internet)

Lançado em 1986, Outrun é um jogo de corrida onde qualquer pessoa fanática por carros jogou, isso no início dos anos 90. O jogo é carismático e com gráficos bem bonitos para a época, além de uma trilha sonora memorável. Outrun sofreu adaptações para os consoles da época, já que inicialmente ele tinha sido lançado para os fliperamas.

Jogabilidade:

O jogo se baseia em você correr, correr e correr… mas isso, em um belo veículo e com uma linda moça ao seu lado. Ao contrário da maioria dos jogos de corrida da época, o objetivo de Outrun é você chegar à linha de chegada antes que o tempo se esgote. Recheado de cenários encantadores e uma trilha sonora épica, o jogador ficará dirigindo pela estrada em uma experiência completamente diferente do comum.

A dificuldade de Outrun está nos veículos e obstáculos que estão na pista, que fazem com que o seu carro rodopie e saia da pista, atrasando o jogador em seu objetivo.

História:

O game não possui uma história elaborada, mas existe um contexto para os eventos que ocorrem em Outrun. O jogador é um motorista de uma Ferrari que deseja impressionar a moça ao seu lado realizando corridas de tempo, desviando de carros e acelerando em alta velocidade.

 

53. Alien Soldier

Plataforma(s): Mega Drive / Genesis, Microsoft Windows, Linux, Mac OS, Wii, Nintendo Switch

Imagem da batalha entre o protagonista e um dos primeiros chefes do game "Alien Soldier". (Divulgação / Internet)
Imagem da batalha entre o protagonista e um dos primeiros chefes do game “Alien Soldier”. (Divulgação / Internet)

Lançado especialmente para o Mega Drive, Alien Soldier é um jogo dos gêneros Shoot' em up, Run and Gun e plataforma. Recheado de chefes extraordinários, inimigos inéditos, habilidades especiais, cenários épicos e trilhas sonoras marcantes, Alien Soldier também apresenta personagens carismáticos e uma narrativa profunda. Além disso, o jogo oferece gráficos bem trabalhados e sprites incrivelmente flúidos, trazendo uma experiência gratificante ao jogador.

Jogabilidade:

A jogabilidade de Alien Soldier é completa e apresenta fases futurísticas onde, em cada uma delas, um chefe está o esperando no final. Ainda por cima, todos os bosses do jogo possuem golpes, habilidades e mecânicas completamente diferentes um do outro, exigindo uma certa estratégia do jogador para derrotá-los

O jogador está na pele de um protagonista radical, o Epsilon-Eagle, uma águia humanoide que utiliza uma armadura e armas cibernéticas. Esse protagonista pode utilizar armas diferentes, cada uma com habilidades e sistemas únicos. Entre as armas disponíveis está: golpes com espadas, bloqueio, ataques no ar, habilidades especiais, armas cibernéticas e teletransporte.

História:

Alien Soldier não possui um enredo profundo, mas fornece um contexto para os eventos do jogo. Resumidamente, o jogo gira em torno do protagonista Epsilon-Eagle em sua missão de derrotar seres extraterrestres e uma poderosa organização robótica.

 


Alguns tópicos que talvez você possa gostar: