7 exemplos inusitados de censura nos jogos

O mundo é formado por diferentes países com diferentes culturas e histórias. Como é de se esperar, isso cria diferentes tipos de aceitação de certos aspectos de uma obra de arte. Temos, por exemplo, os EUA que não tem problema nenhum com violência extrema, mas conta com censuras pesadas contra álcool, drogas e nudez. Na Europa a situação é completamente oposta. Mas falando em games, temos situações inusitadas com os piores exemplos de censura nos jogos.

Desde a China, com as censuras para fazer com que os jogos não sejam contra os ideais nacionalistas e comunistas do país, até a Alemanha, que morre de medo de tornar os jogos uma forma de incentivar a violência.

Como esses são locais importantes para a indústria dos jogos, com muitos compradores, os desenvolvedores acabam censurando seus jogos para conseguir aprovação dentro desses diferentes mercados.

Censura nos jogos: 7 piores exemplos de mudanças nos games

A censura está presente nos jogos desde a era dos 16-Bits e até mesmo nas gerações anteriores. Alguns casos podem ser mínimos, como retirar semelhanças entre os cultistas de Earthbound e a KKK, mas alguns outros exemplos chamam muito mais atenção e até mudam completamente um jogo.

Na Alemanha todo jogo é de ficção científica

Curiosamente, a Alemanha é um dos países que mais censuram os seus jogos. Isso porque o governo condena qualquer tipo de jogo com violência contra outros humanos. O foco na censura fica em “violência contra humanos”, então uma solução que muitos títulos adotaram foi tornar todos os humanos robôs.

Por exemplo, Half-Life tem todos os inimigos humanos substituídos por robôs, o que muda consideravelmente a história do clássico.

Censura nos jogos

Outros vão muito além e tornam toda a experiencia quase que uma paródia do original. Por exemplo, em Command & Conquer todos os personagens são photoshopados para se tornarem androides.

Até mesmo em alguns games que não possuem o temática Sci-Fi os personagens foram trocados por robôs. O Soldier of Fortune foi obrigado a inventar um universo em que que todos os humanos foram substituídos por androides após uma revolta à lá Skynet, tornando um jogo de guerra e ação uma obra da ficção científica.

Humanos foram substituídos por androides que passaram a sua vida robótica fingindo serem humanos.

Armas fazem você repensar as suas escolhas de vida em Half-Life

Censura nos jogos

Ainda na versão alemã de Half-Life, aqueles que não foram transformados em robôs, não podem ser mortos pelo protagonista. Os inimigos que enfrentam uma morte sangrenta na versão original, quando feridos gravemente, apenas sentam no chão como se estivessem de castigo.

Felizmente para os alemães, as leis por lá estão começando a mudar e os jogos estão sendo levados mais à sério. Com isso, Half-Life ganhou recentemente uma versão sem censura, apenas 18 anos depois do seu lançamento na Europa.

Earthbound e as mudanças por medo de processos

Earthbound é um dos jogos de RPG mais queridos do Super Nintendo. Ele é conhecido por uma série de mudanças feitas quando saiu do Japão e foi para o Ocidente, no entanto, muitas delas foram feitas porque a Nintendo da América não queria ter que competir com ninguém legalmente por direitos de imagem.

Com isso, um caminhão teve um de seus logos alterados para parecer menos com o da Coca-Cola. Já o grupo The Tonzura Brothers foi renomeado para The Runaway Five e as roupas foram trocadas para evitar qualquer semelhança com os Blues Brothers.

Até mesmo o subtítulo teve ser alterado de “Giygas Strikes Back” para “The War Against Giygas”, para evitar qualquer atrito com a Lucasfilm e o seu O Império Contra-Ataca.

Diálogos importantes foram completamente removidos de Fire Emblem Fates

Em Fire Emblem Fates há um diálogo muito importante entre Belka e Saizou (Beruka e Saizo, na versão ocidental). Durante uma das conversas, os dois falam sobre como se sentem sendo treinados a vida toda para tirarem vidas, sobre como cada morte impacta cada um e como é difícil viver dessa maneira.

Esta é uma parte fundamental do jogo para que os dois personagens possuam muito mais profundidade e personalidade dentro de suas histórias. Mas a censura americana achou que o público não seria capaz de entender essa profundidade ou simplesmente achou que essa conversa de morte não combinava com o joguinho. A solução foi remover completamente o diálogo e substituí-lo por “…”

Pokémon: GO foi proibido na Arábia Saudita

Como jogar Pokémon Go – Guia para iniciantes

Pokémon: GO trouxe diferentes preocupações em diferentes aspectos. Muitas pessoas ficaram preocupadas com a possibilidade de acidentes com as pessoas distraídas com o jogo. No entanto, a Arábia Saudita foi um pouco mais longe e baniu a aventura em realidade aumentada completamente por ser “Não-Islâmica”.

Entre as acusações que foram usadas para proibir todos os moradores do país de jogarem Pokémon: GO estavam: Promover apostas, desrespeitar símbolos religiosos e o maior crime de todos, ser baseado na teoria da evolução.

Claro, por causa da repercussão negativa da proibição não demorou para que país retirasse a censura de um dos jogos mais vendidos de todos os tempos.

Dragon Ball Fusions e as espadas que viraram bastões

Censura nos jogos

Os Estados Unidos tiveram um grande problema ao trazer o boom dos animes para a programação infantil do país: A violência. Com isso, o anime teve muitas cenas censuradas para remover todas as referências às mortes.

E com os jogos não foi diferente. Em Dragon Ball Fusions, a icônica arma de Trunks, uma espada, foi substituída por um bastão, afinal, espadas são perigosas e podem matar.

A censura nos jogos da China perdura até hoje

Censura nos jogos

A China é um dos maiores mercados de jogos, filmes e formas de entretenimento em geral. Por isso, muitos jogos tiveram que ser alterados para não irem contra os ideais chineses de união e socialismo.

Por exemplo, os personagens principais nunca podem ser assassinos ou chamados de assassinos. Sendo assim, na versão chinesa de Assassin’s Creed, o personagem principal é citado como sendo um soldado.

O país até mesmo teve uma proibição generalizada de consoles entre 2000 e 2015.

No entanto, o jogo que com certeza mais chama a atenção é o PlayerUnknown’s Battlegrounds, que por lá foi substituído pelo “Game For Peace”. Para estar de acordo com os ideais socialistas do país, o “PUBG Chinês” não tem mortes, mas sim uma partida amistosa entre todos os jogadores, que apenas se despedem com um tchauzinho quando são eliminados.

Quer continuar por dentro do universo dos jogos? Acompanhe nossa página no Facebook!