Início » Notícias » Entrevista | Matheus Montenegro, o brasileiro que vai pros EUA graças a Fortnite

Entrevista | Matheus Montenegro, o brasileiro que vai pros EUA graças a Fortnite

Recentemente, saiu uma reportagem aqui no Clube do Videogame sobre Matheus Montenegro, um brasileiro de 20 anos, que conseguiu passar em 28 universidades nos Estados Unidos graças a suas habilidades no Fortnite. Pois é, ele uniu sua paixão por games à sua vida acadêmica e agora, está com as malas prontas para ir para os EUA em agosto, realizando seu sonho de estudar fora do país, na Oklahoma Christian University, com uma bolsa de 75% no curso de ciência da computação.

Infelizmente, no entanto, essa bolsa não garante a ida de Matheus para os Estados Unidos. Então, ele criou a campanha “Matheus nos EUA” nas redes sociais para juntar US$ 16.503 (quase R$ 85 mil) e custear o restante da anualidade do curso, a moradia, a alimentação, o plano de saúde, os livros e o visto de estudante. Até o momento, ele conseguiu 20% da quantia.

Caso você seja um jogador assíduo de Fortnite e tem interesse de seguir os mesmos passos de Matheus Montenegro, o Clube do Videogame realizou uma entrevista com o jogador, em que ele conta, em detalhes, como foi que conseguiu aplicar sua candidatura para as universidades americanas. Vem conferir!

Clube do Videogame: Como surgiu seu interesse por videogame?

Matheus: Meu interesse por games surgiu quando eu tinha uns 8 anos e comecei a jogar no PlayStation 2 do meu pai.

Clube do Videogame: E seu interesse por estudar fora?

Matheus: Desde criança, eu assistia muitas séries e filmes americanos. Isso fez com que eu me apaixonasse pela cultura dos Estados Unidos.

Clube do Videogame: Como você descobriu que os games poderiam te ajudar nesse seu sonho de sair do país?

Matheus: Descobri no final de 2021 quando saiu uma matéria sobre um brasileiro que tinha sido aprovado em 32 universidades pra ser atleta de Fortnite também. Fui atrás dele no Instagram, e ele me mostrou o básico para conseguir. O que me deixou um pouco frustrado foi que ele trabalhava numa mentoria particular que custava muito caro, mas não desisti e comecei a pesquisar igual louco como fazer para ir para os Estados Unidos. A partir daí, não parei mais.
Clube do Videogame: O processo seletivo para ingressar nas universidades americanas foi difícil? Conta um pouco mais sobre ele para a gente.
Matheus: Sim, não é nada fácil. Em relação ao acadêmico, precisei enviar 3 cartas de recomendação (dois professores e um diretor), meu histórico escolar do ensino médio e minhas atividades extracurriculares e minhas honras (medalhas ou algo do tipo). Além disso, tive que fazer várias redações (uma que contava a minha história, uma que contava o porquê de eu querer ir pra determinada universidade e uma sobre o porquê de eu escolher tal curso). Agora do lado esportivo, precisei enviar um vídeo dos meus melhores momentos no Fortnite e contar minha experiência com o jogo. Ah, e também precisei fazer um teste de proficiência em inglês.
Veja o vídeo que Matheus enviou para as universidades abaixo:

Clube do Videogame: Quais são as suas expectativas para sua ida aos EUA?

Matheus: Quero dar meu máximo em campeonatos de Fortnite e em lives streaming na twitch. Darei também prioridade para meus estudos.

Clube do Videogame: De onde surgiu a ideia de fazer a campanha “Matheus nos EUA”?

Matheus: A ideia surgiu porque eu fui aprovado com apenas 75% de bolsa de estudos, e eu não tenho dinheiro pra arcar com o resto. Aí, resolvi pedir ajuda.

Abaixo, você pode conferir o post em que ele fala da campanha para descobrir como ajudar: 

Clube do Videogame: Como está sendo lidar com toda a repercussão do seu caso?

Matheus: Está uma loucura, mas estou muito feliz com tudo isso. Saber que sou inspiração pra muitos já faz meus olhos se encherem de lágrimas.

Clube do Videogame: Que conselho você deixa para outras pessoas que, assim como você, também pretendem estudar fora?

Matheus: Nunca desista dos seus sonhos, não importa o que as pessoas vão dizer. Mesmo que não pareça que vai dar certo, jamais perca as esperanças. Tenha fé sempre!

 

Caso seus pais continuem implicando com o fato de você jogar muito videogame, mostre essa entrevista para eles e diga que sim, jogos eletrônicos dão futuro e podem te levar para estudar em universidades dos Estados Unidos.

Compartilhe

Letícia Höfke

Letícia Höfke

Sou jornalista, escritora e completamente apaixonada por tudo que envolve o universo geek - principalmente, o Batman.

Veja também